Alma-Poeta...

Os meus Rabiscos ...
Para ti, para mim para quem me queira ler...



"Vale sempre a pena quando a alma não é pequena"
(Fernando Pessoa)



quarta-feira, 29 de janeiro de 2014






Vivendo Recordações


Fico com o olhar triste, nas recordações do que fui,
E na solidão do que sou…
Musica que me atropela, com recordações
Do mundo onde todos vós sois
Se vos esqueceste?
Eu aqui permaneço na janela da amizade
Que hoje, intitulo a janela da saudade
Mundo que tanto percorri, hoje estou aqui
E de vós não me esqueci…
Meu coração palpita e minha mente vos transmite
A dor que sinto,
Estando longe de quem me fez gente
Passando por turbulências e maus momentos
Sei que não posso ser nem ficar assim
Mas porque é que a vida nos trama, ter de partir e não poder ficar.
E a todos vós vos ver e abraçar.
Recordo-me de tempos lindos e dos difíceis também
Passar fronteiras e não sentir dor, apenas querer ir alem
Ajudem-me a encontrar meu lugar
Tenho vontade de regressar e vos poder contar
Que o horizonte, não é o que nos fascina, mas sim uma mentira
Do querer e não conseguir obter
A dor maior, é não vos poder ver
Vos quero mostrar o quanto tento acalmar minha dor
Vos dizendo não deixem acabar o amor
Depois de sair desta dor,
Palpita o coração vos dizendo,
Não tenham em conta minha solidão
Apenas são desabafos, desiludidos do meu coração
Dos tempos que foram e não voltarão
Vivendo recordações sou feliz,
Mesmo com lágrimas amargas,
sou filha do mundo como tanta gente o diz
Se recordar é viver então viverei sem vos esquecer
Isto, do anoitecer ao amanhecer
Vamos viver recordações
Para não deixar adormecer nossos corações



                                                                                                     Alzira Macedo






A vida…

Descobre que a vida é contada em minutos…
Temos pouco tempo para tudo construir!!!
E desta vida usufruir.
Por isso constrói algo de novo em cada dia…
Dividindo o teu tempo com sabedoria.
Não te esqueças do próximo,
Lida sempre com a verdade…
Facilmente encontrarás o caminho da felicidade.
Almas cansadas no teu caminho, te irão perturbar,
A ti de ser forte e não desanimar.
Lembra-te que o tempo não para
E da tua vida está a descontar.
Não percas tempo desnecessário a pensar,
O que foi ontem, já passou…
Olha e sorri para o amanha.
Despede-te das ilusões,
Fracassos e decepções,
Constrói uma ponte…
Onde passas os laços de afecções.
Que sejas motivo de inspiração,
Para ti e os teus que não encontram solução.
Que sejas soberano por guiar os navegantes,
Mesmo que se tratem de ignorantes.
Lembra-te que a vida passando por ti,
Nunca voltará a ser como era antes.

Alzira Macedo

domingo, 22 de janeiro de 2012



Aqui partilho uma das musicas que eu gosto muito de ouvir...
E hoje não fugi á regra...
Ao ouvir pensei em partilhar convosco espero que gostem..
Bjs e um excelente domingo...

A magia do olhar...




Teu olhar persegue-me

Adoro tudo o que é teu…
Pela simples forma de me dares tudo quanto almejo sem nada dizer
sem nada pedir
Sem apenas uma única palavra proferir….
Conheces todos os meus recantos
 de alma, de espirito, de desejo…
Porque será afinal?
Serei esse libro aberto de que tanto falo
Só pode ser…
Ou então és mágico nesse teu dom de viver…
Esse teu silêncio matador
que me envolve nas noites mais obscuras,
 Á procura da âncora do teu coração
onde me possa encostar e sem soluçar prenunciar
O quanto a saudade de ti é penosa
tantas horas,  que a noite tem, sem de ti nada saber
sem te ver
Sem eu saber sequer onde pertencer
Divaguei-o, percorro mares, luas
Conto as estrelas infinitas
sem sequer te encontrar
perdida estou nesse teu lindo olhar
esse que me persegue
esse que me faxina e me faz de ti gostar
será gostar, adorar ou mesmo amar
quem souber venha-me sussurrar
podes mesmo ser tu meu querido mar
tu que tudo sabes
tu que tudo guardas nas águas mais profundas
vem ao meu encontro
Eu que tanto te amo
E em ti, minha confiança deposito
vem …
Traz-me de novo esse maravilhoso olhar



Autoria de : Alzira Macedo

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Acorrentada ao amor




As amarras de uma paixao


Naveguei em teu corpo
como o barco navega no mar
teus braços senti como remos
dirigindo-me para o leito do amor
onde me desnudei
e a ti me entreguei
na noite calma ali...
tu e eu
sem pressa,
sem vontade de regressar à realidade
beijos soaves foram trocados
chamando o desejo
as estrelas testemunharam nossas juras
a lua minhas lagrimas de felicidade
foste minha fonte de inspiraçào
meu amor tornou-se poesia
encantando-me à luz do dia
o vento virou
e de mim te levou
deixando-me um vazio
afoguei na fonte das incertezas
lavando lagrimas de tristeza
apenas restou a recordaçào
de uma paixao
que aprisionou, unicamente meu coraçào

Alzira Macedo






Inabitado.

Jardins inabitados são os pensamentos!!!

Pertencem palavras e imagens presentes.

Ausento-me por segundos do meu jardim!!!

E contemplo a lua que sorri para min.

Pedaços de felicidade me fazem sorrir!!!

Até os sons da noite consigo ouvir,

Jardins anteriores que recuam,

deixando lugar às ideias que flutuam.

Sensação de bem-estar,

como deste jardim não gostar!!!

Cada sombra é um poema.

Cada momento è vivido como o brilho de uma estrela.

Trago a magia no pensamento!!!

Que vivo e partilho a cada momento.

Se pareço ausente, não creias!!!

Vivo no meu jardim, fora das vidas alheias.

Dá valor ao meu silêncio, não te deixes por ele perturbar.

São momentos de felicidade que irei contigo partilhar!!!

Esta noite eu quero ser um jardim de sencações,

Para poder escrever e alegrar vossos corações.

Não é verdade que existe solidão,

É apenas uma palavra enganosa,

para não deixar falar o coração.

Todos nós temos um jardim a florescer!!!

Apenas necessitas nele acreditar e não o deixar morrer.


Alzira Macedo




terça-feira, 13 de abril de 2010

Momentos





Momentos presentes

Há momentos que o corpo adormece,
a mente sente alerta…
O coração bate fraco…
Pelo vivido,
pelo sucedido…
Pelo passado que não queremos recordar
quanto mais falar…
Há uma busca do devaneio intenso
do desejo,
do querer,
do obter sem temer dizer o quer,
esse que é alimento de cada ser…
De cada alma angustiada pelo ardor
da sensibilidade, do arrepiar da pele…
A boca que reprime cada desejo,
cada momento de prazer…
Engole cada arrepio,
cada momento vivido dentro de si…
Sensações reais…
Loucas de prazer, pela vida,
pelo amor apetecido…
Esse que é desejado,
mas sempre descriminado…
Como também nunca vivido,
apenas nos sonhos, nas imaginações…
E nas recordações…
Restam lembranças de tempos de outrora…
Brisa que passa e deixa rastos de saudade,
como um vendaval…
deixando bem claro o desejo despertar,
do adormecer no verdadeiro amar
como um corpo inerte…
Que apenas reclama ardor…
vivencia e sentido de amor
Essas sensações que nunca cessam,
de reclamar,
o quanto estamos vivos no corpo e na alma…
De sentir o corpo arrepiar,
o coração acelerar,
o desejo de amar,
agora…
A vontade de querer sempre cada vez mais,
o amor…
Fazer dele o…
Sempre presente…

terça-feira, 6 de abril de 2010






Janela da vida...


Debrucei-me na janela da vida,
Observei momentos vividos
Paro, reflicto…
O que vivi, o que deixei por viver
O que vivo…
O que ainda tenho para viver…
Rica de vivencias,
concordo…
Mas rica de desventuras
de desperdícios,
de vivencias enganosas…
Sempre com um sorriso
ou com uma lágrima
sou o espelho de mim…
Da verdade,
feita por mim própria
Analiso…
concordo com Pessoa,
quando diz que poeta é fingidor
Pela forma de fazer encantar,
sem o sentir…
Não é mera ilusão…
Mas sim, desabafo da alma,
do que pretende atingir
sem conseguir…
então sonha-se em palavras
em miragens…
Alguém se entende, se reconhece…
Vive,
sonha com essa magia
Quem escreve, vive o presente..
O momento…
Mas nunca uma realidade…
Vivemos num mundo de frieza,
de fingimentos…
Até no do próprio sonhar··
Só assim conseguimos nossa meta alcançar.
Essa de fazer sonhar


Alzira Macedo