Alma-Poeta...

Os meus Rabiscos ...
Para ti, para mim para quem me queira ler...



"Vale sempre a pena quando a alma não é pequena"
(Fernando Pessoa)



segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Acorrentada ao amor




As amarras de uma paixao


Naveguei em teu corpo
como o barco navega no mar
teus braços senti como remos
dirigindo-me para o leito do amor
onde me desnudei
e a ti me entreguei
na noite calma ali...
tu e eu
sem pressa,
sem vontade de regressar à realidade
beijos soaves foram trocados
chamando o desejo
as estrelas testemunharam nossas juras
a lua minhas lagrimas de felicidade
foste minha fonte de inspiraçào
meu amor tornou-se poesia
encantando-me à luz do dia
o vento virou
e de mim te levou
deixando-me um vazio
afoguei na fonte das incertezas
lavando lagrimas de tristeza
apenas restou a recordaçào
de uma paixao
que aprisionou, unicamente meu coraçào

Alzira Macedo






Inabitado.

Jardins inabitados são os pensamentos!!!

Pertencem palavras e imagens presentes.

Ausento-me por segundos do meu jardim!!!

E contemplo a lua que sorri para min.

Pedaços de felicidade me fazem sorrir!!!

Até os sons da noite consigo ouvir,

Jardins anteriores que recuam,

deixando lugar às ideias que flutuam.

Sensação de bem-estar,

como deste jardim não gostar!!!

Cada sombra é um poema.

Cada momento è vivido como o brilho de uma estrela.

Trago a magia no pensamento!!!

Que vivo e partilho a cada momento.

Se pareço ausente, não creias!!!

Vivo no meu jardim, fora das vidas alheias.

Dá valor ao meu silêncio, não te deixes por ele perturbar.

São momentos de felicidade que irei contigo partilhar!!!

Esta noite eu quero ser um jardim de sencações,

Para poder escrever e alegrar vossos corações.

Não é verdade que existe solidão,

É apenas uma palavra enganosa,

para não deixar falar o coração.

Todos nós temos um jardim a florescer!!!

Apenas necessitas nele acreditar e não o deixar morrer.


Alzira Macedo